segunda-feira, 1 de abril de 2013

Mário...


 Foi o maior actor da sua geração. As palavras tiveram no seu rosto, expressões, formas, brilhos de encontros, entre a voz e a imaginação do possível, entre o espanto do sonho e o cansaço do incumprido. Com as suas lágrimas, os seus sorrisos, a sua indómita vontade, as palavras tiveram oportunidades novas. E tinha aquele ar encantado de miúdo sempre à descoberta de um sonho.          
 
De Mário Viegas as palavras serão sempre poucas, raras, marginais para descrever a entrega a elas e à poesia. Raras para o assombro da voz, a plasticidade do rosto, a expressão dos olhos, a fúria por aquilo que consome o actor e o que o faz amar, em múltiplas cabeças, o que o torna humano e universal, quando "ornamenta Deus com simplicidades silvestres". (Herberto Helder, "O Actor")

Dele ficará sempre a doçura e a raiva na voz contra o que desejamos e não sabemos ser, contra o conformismo perante o verniz que destoa a claridade do dia e o perfume das maçãs. Fomos com ele um sonho de manhã silvestre, por onde hoje caminhos efémeros se diluem, ainda que tenhamos nos olhos o mês de Maio. Acreditemos que esta é a melhor mentira do dia 1 de Abril e que ele ainda todas as manhãs sonha connosco o nascer de todas as palavras.

video



Sem comentários:

Enviar um comentário